Mulheres e meninas yazidis, ex-cativas dos muçulmanos, pegam nas armas para se defender contra os estupradores




Die Sonnen-Brigade

Meninas e mulheres yazidis que escaparam dos estupradores e torturadores muçulmanos superam seus traumas graves lutando. A Tropa do Sol, na Síria, pretende defender os yazidis perseguidos contra as milícias dos muçulmanos.
Resultado de imagem para jesidische MädchenMuitas das moças estão com os peitos ou a vagina mutilada à faca ou cruelmente raspada, lixada ou com incisões e cortes. Os psicólogos, que cuidam delas, precisam muitas vezes ajuda por sua vez, porque são traumatizados somente por ouvir centenas de relatos sobre as perversões de muitos muçulmanos. (Foto: Irmã Hatune com vítima yazidi, uma das 1400 resgatadas e levadas para a Alemanha.)
Resultado de imagem para jesidische Mädchen

A guerra particular das mulheres contra o "Estado Islâmico"

Localizando o inimigo

Perto da cidade de Mossul, no Iraque, a combatente curda Haseba Nauzad examina de binóculo a linha de front que separa o território curdo daquele controlado pela organização terrorista "Estado Islâmico" (EI). Em cooperação com o Exército iraquiano, os curdos ganham cada vez mais terreno contra os jihadistas.



Resultado de imagem para jesidische Mädchen

Vanguarda da resistência

Inimigo localizado, é hora de atirar. Juntamente com a camarada yazidi Asema Dahir (3ª da dir.) e outras combatentes, Haseba mira os terroristas do EI. Como as ofensivas aéreas não bastam para derrotar os jihadistas, as yazidis e curdas formam a linha de frente no combate de solo.
O "Estado Islâmico" não teve piedade nem com os mais fracos. Implacavelmente perseguidos pelos fundamentalistas, em meados de 2014 centenas de milhares tiveram que procurar abrigo. Na época, esta foto de um ancião e suas acompanhantes deu a volta ao mundo como símbolo do sofrimento dos yazidis.
Resultado de imagem para jesidische Mädchen

Não à escravidão

Do ponto de vista militar, o "Estado Islâmico" ainda não está vencido, continuando a deter o controle sobre vastas regiões na Síria e no Iraque. As curdas e yazidis seguirão combatendo-o, e de quebra dão uma lição aos fundamentalistas: as mulheres não nasceram para ser escravas.




Nenhum comentário:

Postar um comentário